A comunicação estratégica e institucionalizada em tempos de Fake News, pandemia e grandes mudanças
Sexta, 16 de Outubro de 2020

A comunicação estratégica e institucionalizada em tempos de Fake News, pandemia e grandes mudanças

O ano de 2020 trouxe muitos desafios, mas sem dúvida nenhuma deixará aprendizados para a vida em sociedade, dentre eles a importância da comunicação pública. Essas lições e legados, despertados por uma crise sanitária que fez o mundo inteiro parar, foi tema de debate do segundo dia, 16 de outubro, do Seminário On-line de Comunicação e Justiça promovido pelo Fórum Nacional de Comunicação e Justiça – FNCJ.

O painel “A comunicação pública em 2020: lições e legado da pandemia” contou com a participação de jornalistas importantes na área de assessoria de comunicação pública no país.

Lincoln Macário, jornalista, especialista em Análise de Políticas Públicas, mestre em Ciência Política e, atualmente, presidente da Associação Brasileira de Comunicação Pública abriu o painel de debate chamando a atenção dos participantes para as agendas legislativas e o quanto isso pode direcionar a comunicação pública do Brasil.

“São muitos os projetos de lei relacionados a área de comunicação e precisamos nos atentar a esses projetos que podem modificar significantemente a atuação da comunicação. Atualmente temos o PL das Fake News, Projeto de Lei 2630/20, que discorre sobre o combate às notícias falsas em redes sociais e serviços de mensagens. Também temos o PL 2431, projeto que já passou pela Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara. A proposta é vedar que conteúdos digitais de gestões anteriores sejam apagados de sites e redes sociais de instituições públicas”, disse.

O jornalista enfatizou ainda sobre a tramitação do Projeto de Lei 619/2020, que propõe que conteúdo de natureza pública tenha tráfego gratuito pela internet, pois quase 60% da população tem acesso a informações por meios digitais com aplicativos e plataformas de notícias. O Projeto apresentou justificativas como a necessidade de as pessoas terem e dependerem de informações como, por exemplo, saber de direitos e benefícios – como auxílio emergencial.

Já o jornalista Eduardo Pugnali, que tem MBA em Marketing e é secretário executivo de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo, discorreu sobre a importância da valorização da gestão, do trabalho intelectual, da regulamentação e padronização de contratação dos serviços públicos e prestação de contas e, ainda, os desafios e tendências da comunicação durante a pandemia.

“A pandemia levou a comunicação para caminhos diferentes – tivemos de voltar a realizar coletivas, um modelo de entrevistas que já achava que não teria mais tanto sucesso. Até agora já foram 135 coletivas exclusivamente ou em parte tratando de Covid-19. O meio deu tanto resultado positivo que em uma única transmissão conseguimos alcançar mais de 150 mil pessoas. Mas também tivemos de galgar novos espaços, como ampliar nossa cobertura nas redes sociais e até criar um Tik Tok, novo aplicativo, que tem se tornado sucesso entre o público mais jovem”, enfatizou.

Para a jornalista Ana Cristina Rosa, especialista em Comunicação Pública, que já foi assessora-chefe de Comunicação do Tribunal Superior Eleitoral - TSE e, atualmente, é assessora-chefe de Comunicação Social do Conselho da Justiça Federal – CJF, o período a qual passamos é de transformação cultural de todas as instituições.

“Se eu pudesse comparar a vida a um game, eu diria que a humanidade entrou em uma nova etapa do jogo. A pandemia revolucionou a forma de fazer comunicação, principalmente na comunicação digital que sempre teve várias barreiras, mas agora foram por água a baixo”, explicou.

Com mais de 30 anos de carreira, Ana Cristina destacou durante o evento, que é momento de reposicionar estrategicamente a comunicação e aproveitar a oportunidade que se abriu para a área, que tem provado ser uma das mais essenciais para a humanidade.

“Eu vejo que é hora de pensar em soluções inovadoras. Vamos refletir sobre as novidades, os desafios, as produtividades. A reorganização dos processos é essencial para melhor aproveitamento e efetividade dos produtos que a gente pode criar diante desse cenário de forma responsiva”, finalizou.

O painel “A comunicação pública em 2020: lições e legado da pandemia” foi mediado pela convidada do FNCJ, Rosângela Sanches diretora de Comunicação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

A comunicação estratégica e institucionalizada em tempos de Fake News, pandemia e grandes mudanças

APRESENTAÇÃO DAS CASES
Durante a abertura do segundo dia de encontro do Seminário On-line de Comunicação e Justiça do FNCJ o presidente do Fórum Luciano Andrade e a diretora Financeira e coordenadora do Prêmio Cecília Abbati agradeceram a participação dos profissionais da área de comunicação de todo o Brasil.

Cecília Abbati fez a divulgação dos finalistas nas categorias de Comunicação Interna, Campanha Institucional de Interesse Público, Vídeo Institucional ou Documentário e, ainda, na categoria Relacionamento com a Mídia.

A comunicação estratégica e institucionalizada em tempos de Fake News, pandemia e grandes mudanças

CONBRASCOM 2021
O próximo destino do Congresso Brasileiro dos Assessores de Comunicação do Sistema de Justiça promete ser emocionante – a cidade maravilhosa do Rio de Janeiro. A divulgação foi feita durante o Seminário On-line de Comunicação e Justiça pela representante da instituição anfitriã, a diretora de Comunicação da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, Débora Diniz.

No bate-papo entre Débora, o Presidente e a diretora Financeira Fórum e coordenadora do Prêmio, a jornalista exibiu um vídeo sobre a cidade sede do próximo Congresso e ainda falou das expectativas de sediar o novo encontro, já que em 2020 o Conbrascom precisou ser cancelado devido à pandemia.

O que será que vem por aí?!

Compartilhe esta notícia:
A comunicação estratégica e institucionalizada em tempos de Fake News, pandemia e grandes mudanças

Deixe um comentário

Faça login para poder comentar.

Pesquisa de Conteúdo

Cadastre-se e fique sempre atualizado

APOIO:

FNCJ | Fórum Nacional de Comunicação e Justiça
CNPJ: 05.569.714/0001-39
Telefone: (51) 4141-8082

FNCJ nas Redes